segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Assim se quer um treinador.

  

   O TREINADOR, o líder, o que toma as decisões, a mente da equipa, o que treina e passa a mensagem! O quão complexo, difícil e ingrato pode chegar a ser... SER TREINADOR. O quão espetacular e audaz o pode ser também. Não é para todos, mas para alguns é como se fosse um dom ou um destino para o qual foram feitos.
    Falemos de um homem em particular, falemos de Sérgio Conceição! E porquê ele? Porque é um líder! Sérgio chegou ao FCP perante uma hegemonia vitoriosa do maior rival, e o que fez Sérgio? Levantou a alma do FC Porto, fez uma equipa. E como fez ele a equipa? Grandes contratações? Não! Isso é fazer um plantel, uma equipa está no espírito e na mensagem que é passada. Porque Sérgio é assim, transparente, frontal, audaz e completamente competitivo. Sérgio conseguiu ter a audácia de tirar a lenda Casillas para pôr o inexperiente José Sá a titular, por questões de rendimento. Errado? Não, fê-lo por achar ser o melhor para a equipa atualmente. Vimos algo mudar naquele balneário? Nunca. Vimos Casillas, a reunir o grupo depois do treinador ter sido expulso contra o Portimonense em jogo a contar para a taça de Portugal.
    Solidariedade, esforço e garra, são as caraterísticas desta equipa. Nota-se durante o jogo, a forma como comunicam e a intensidade e entrega de qualquer jogador naquela equipa, sejam eles titulares, suplentes ou reservas... todos se sentem úteis.
    Além de tudo isto, o FC Porto está em 1º lugar na Liga NOS com 31 pontos em 11 jogos, 30 golos marcados e 4 sofridos. Já teve jogos mais complicados como contra o Sporting CP (fora-empate), o SC Braga (fora-vitória) e Rio Ave (fora-vitória). Na liga dos Campeões está em lugar de qualificação e está nos oitavos da taça de Portugal... Incrível!

   É bom ver um treinador jovem português a fazer o trabalho que Sérgio está a fazer. O futebol português agradece.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

A importância do reforço muscular para o jogador de futebol.


   Atualmente podemos considerar o futebol o desporto rei, principalmente na Europa. Este mediatismo do futebol leva a que haja um grande número de praticantes.
     Se para o jogador de “fim de semana” a condição física geral não seja tão importante, para um jogador de nível competitivo mais elevado, com vários treinos e pelo menos um jogo por semana a conversa muda de figura.
      O reforço muscular no jogador de futebol é importante não só para a melhoria do seu desempenho desportivo, mas também para evitar lesões e recuperar melhor das mesmas quando estas acontecem.
     O treino da força pode variar de acordo com o objetivo a atingir, contudo há fatores que devem ser tidos em consideração como: o número de repetições e séries, a velocidade do movimento, pesos utilizados, tempos de pausa entre outros.
   A escolha dos exercícios a ser utilizados no reforço muscular no atleta vai depender de várias coisas:
 -Condição física do atleta;
 -Objetivo do treino;
 -Equilíbrio muscular que o atleta apresenta;
    Em caso de lesão devemos também ter em consideração o estado de cicatrização da lesão.

    Após isto podemos enumerar vários benefícios do reforço muscular para atletas de alto rendimento incluindo os futebolistas:
 -Ajudar a prevenir lesões;
 -Melhor e mais rápida recuperação de lesões e de períodos de imobilização;
 -Permite o reforço dos grupos musculares solicitados na modalidade praticada, com vista à melhoria do desempenho;
 -Trabalho de habilidades com ligação indireta ao futebol (equilíbrio, propriocepção);
 -Aumento da massa magra em detrimento da massa gorda;
 -Desenvolvimento equilibrado dos músculos agonistas e antagonistas;
 -Desenvolvimento muscular de estruturas menos solicitadas durante a prática da modalidade de modo a um desenvolvimento equilibrado de todo o corpo de maneira a evitar desequilíbrios e problemas daí originários.


    Assim podemos afirmar que o reforço muscular não sendo o objetivo principal de uma modalidade como o futebol é um pilar do treino que não deve ser descurado, pois permite um melhor desenvolvimento do atleta bem como a melhoria de várias competências físicas. 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O adeus de Buffon às redes italianas.



    “Este foi o meu ultimo jogo pela Itália. Peço desculpa.” 
     Foi desta forma e em lágrimas que, Giangluigi Buffon se despediu da sua carreira na seleção ao fim de cerca de 200 jogos com a camisola da squadra azzurra. 
     Giangluigi Buffon de 39 anos, muito provavelmente, ‘pendurará as botas’ no final desta época, terminando assim uma carreira com mais de 20 anos, mais de 1000 jogos oficiais e muitos títulos, tanto a nível coletivo como a nível individual.
   Esperava-se que a seleção italiana marcasse presença no Mundial 2018 na Rússia, mas pela primeira vez nos últimos 60 anos, tal não aconteceu, caindo no play-off de apuramento aos pés da seleção Sueca, após uma derrota por 1-0 no conjunto das duas mãos. Apuramento este que não foi fácil para Buffon pois foi contestado em alguns dos jogos desta fase de apuramento.
   Assim e em lágrimas termina a história de Giangluigi Buffon com a camisola 1 da seleção transalpina. 
    Todos nós gostaríamos de ver a Itália no mundial, tanto por ser uma seleção histórica como para vermos uma despedida, em grande, deste enorme guarda redes, que no final desta época abandonará os relvados.
    Assim, resta-nos agradecer a Buffon todos estes anos de enorme qualidade com que nos presenteou enquanto defensor das redes italianas.

Amor ao Futebol.

            
               Comecei a jogar federado desde os 8 anos e quando praticas uma modalidade tens sempre o desejo de melhorar o máximo possível, pelo menos comigo era assim, todos os treinos dava o máximo de mim desde essa idade, visto que não era muito bom tecnicamente, restava-me a força, a garra, a vontade de ser melhor, a vontade de vencer, dava tudo de mim nem que fossem apenas 5 minutos, mas esses 5 minutos tinham que valer a pena. Ao longo dos anos estava a começar a colher os frutos, encontrava-me em excelente forma, principalmente a partir do escalão de iniciados. Nessa altura só pensava em futebol e ansiava sempre pelo jogo seguinte, e tinha a enorme vontade de mostrar o que valia, e os meus pais sempre me diziam para não esquecer os estudos, e felizmente os ouvi.
                Com 16 anos chego aos Juvenis e com muito esforço lá ia jogando na equipa principal, até que uma semana não pude ir ao jogo, e no jogo seguinte iniciei-o no banco. Ansioso aguardei a ordem do treinador para aquecer e no inicio da segunda parte foi o que aconteceu, e a meio da mesma fui chamado a entrar, enquanto o jogo decorria sentia-me cada vez melhor, até que, no fim de lance em que tentava impedir que a bola saísse, tentei voltar para a minha posição dentro de campo, mas na rotação do meu corpo, o meu pé ficou preso na terra e o meu joelho não aguentou, eu e alguns companheiros meus ouvimos um estalar a sair de dentro dele, e como se um fecho se abrisse dentro do meu joelho, bem como falta de estabilidade, soube de imediato que não era coisa boa, mesmo assim tentei voltar ao jogo e num lance em que tento fazer um sprint a perna falhou-me como se me faltassem as forças, fui obrigado a sair com ajuda de um companheiro fui para o balneário, o joelho cada vez estava mais inchado. Ao fim de algum tempo fui pelo seguro fazer exames, o médico mandou me fazer uma ressonância magnética, e quando o resultado saiu fui chamado para saber o que se passava, só pedia que não fosse o que eu pensava, mas infelizmente o que eu temia aconteceu, tinha tido uma rotura do ligamento cruzado anterior e o meu menisco do joelho direito também tinha sido afetado, fiquei de rastos 8 anos de esforço num desporto que amo tinham ido por agua a baixo. Passado uns tempos só queria ser operado, pois só pensava quanto mais rápido o fizesse mais rápido poderia voltar a jogar, passado cerca de 1 ou 2 meses fui operado, correu tudo bem, mas não estava habituado a estar naquela situação, só podia mexer os braços e a perna que estava boa pois estava a ser medicado pela coluna por um cateter, e por isso aquelas 2 noites no hospital foram horríveis só consegui dormir cerca de 6 horas no total, apesar de ter sido muito bem tratado. Só estava previsto ter alta ao quarto dia, mas no terceiro dia com ajuda pus me pela primeira vez a pé e sentaram me num cadeirão, é então que chega o médico e me pergunta se queria ir embora, e como é obvio respondi que sim e então voltei para casa. Passado poucos dias tirei os agrafos e fazia fisioterapia que a cada melhoria que via mais vontade tinha em continuar, sempre com o objetivo de voltar a jogar. Depois de 8 meses de muito sacrifício, esforço, voltei a treinar e a jogar, era juvenil de segundo ano.
                Com 18 anos e já nos juniores tentava integrar a equipa principal, não estava fácil, mas continuava a trabalhar com o mesmo empenho do primeiro dia. Na segunda volta do campeonato chega finalmente a minha oportunidade, iria iniciar o jogo na equipa principal. Fomos então aquecer e como estava muito calor eu comentei se não iam regar o sintético que se encontrava muito quente e seco, sendo muito perigoso á prática de futebol. Iniciou-se o jogo e o campo não fora regado, decorridos cerca de 10 ou 15 minutos de jogo, enquanto aliviava uma bola, no momento em que a ponta da chuteira deixa de estar em contacto com o chão, ouvi mais uma vez aquele estalar horrível, nem queria acreditar mais uma vez todo o sacrifício e esforço foram em vão, nesse momento agarrei-me ao joelho esquerdo a gritar, nem precisava de exames pois já sabia o que se tinha passado, mais uma rotura  do ligamento cruzado anterior mas desta vez no outro joelho. Voltei a fazer a ressonância magnética que confirmou o que eu temia. É horrível no simples caminhar a nossa perna nos falhar, não conseguires correr, não conseguires fazer coisas tão simples e que pertenciam ao teu dia-a-dia desde que te lembras. Desta vez sentia-me de rastos e motivação que tinha da primeira vez já não existia, não pensava em voltar a jogar, as noites eram horríveis principalmente depois da operação, em que olhava para a minha fotografia a jogar futebol e pensava, e agora que vou fazer? A minha vida toda tinha o futebol e naquele jogo tiraram-me a coisa que mais adorava fazer, estava de rastos. Alguns meses depois, salvo erro, em novembro fui operado, não correu tão bem como da primeira vez, mas ia recuperar, fiquei 2 noites também no hospital, recordo-me de tal como da primeira vez nas duas noites juntas só ter conseguido dormir cerca de 6 horas. Comecei a fazer fisioterapia muito tarde porque a ferida não queria cicatrizar, e como tal a fisioterapia custou-me imenso, lembro-me de uma sessão que fiz que me estava a doer tanto a perna a fazer fisioterapia, que eu gritava muito mesmo, quando sai doía-me tanto a cabeça, que tive que tomar um comprimido.
                É nestes momentos que vemos quem realmente se importa, quem são nossos amigos, e quem não quer saber de nós, é nestes momentos que nos tornamos mais fortes, que mais aprendemos e mais amadurecemos. 
                Com esta operação só voltei á escola em janeiro perdendo assim muitas aulas de Matemática, que era a única disciplina que faltava para concluir o 12ºano, pois as restantes já tinham sido feitas no ano letivo anterior, mas como tinha sido operado no 10º ano as minhas notas baixaram um pouco, e no 12ºano quando me lesionei acabei por deixar Matemática por fazer. No exame finalmente consegui fazer Matemática e concluir o 12ºano.

                Depois de 1 ano sem saber bem o que fazer, e muito grato aos meus pais por terem insistido para que eu estudasse, pedi-lhes se poderia ir para a Universidade, e eles responderam que podia, foi aí que ingressei na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro no curso de Ciências do Desporto, com o desejo de poder trabalhar na área do futebol, e quem sabe, quando acabar o curso tentar jogar pelo menos mais um ano.  

sábado, 11 de novembro de 2017

Rivalidades dentro do campo.


Discutir futebol em Portugal hoje em dia não é falar sobre os aspetos táticos do jogo, ou sobre a qualidade dos jogadores é antes falar das arbitragens e comentar o que os clubes dizem uns dos outros.
Cada vez menos se dá mérito a um clube com menos argumentos quando consegue um bom resultado frente a um dos grandes, por norma quando isso acontece é porque o árbitro prejudicou o chamado grande.
E de quem é a culpa…é do povo que prefere ler no jornal e ver na televisão comentários absurdos de pessoas que são a cara do clube do que ver e ouvir comentários de pessoas que realmente percebem de futebol.
Como é possível que um jornal prefira fazer capa com uns supostos 4 capangas de uma das claques que ameaçaram um presidente de um clube do que dar destaque ao jogo da Seleção Portuguesa que pretendia ajudar as vítimas dos incêndios em Portugal.
O futebol português está cada vez mais parecido com uma novela Mexicana do que com qualquer outra coisa.
Acho que devíamos aprender com os exemplos das grandes Ligas Europeias em que os rivais se respeitam uns aos outros fora do campo.

A rivalidade entre clubes deve ficar dentro do campo.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

“Meio Joelho e Uma Liga.”


Modelo atual do Campeonato Nacional de Seniores, que é composto por 5 séries de 16 equipas onde o 1º de cada série e os três melhores 2ºs classificados vão a um play-off de subida, em que os dois finalistas têm acesso direto à Liga LedMan Pro e os outros dois semifinalistas vão disputar outro play-off com o 17º e o 18º da Liga LedMan Pro.
Carlos Costa: O sistema atual não é o adequado porque tira hipóteses de subida a muitas equipas. Dou exemplo de equipas candidatas como o Leiria, a Olhanense, o Vizela, o Fafe… Estas equipas, algumas vindas da 2ª liga tem mais argumentos para a subida. Assim, há uma certa discrepância para equipas desta divisão com menos argumentos aliada ao facto de só ser garantido lugar no play off ao 1º classificado. Assim se retira a estas, ainda mais, a possibilidade de se chegarem a um lugar de subida.
Cláudio Teixeira: Podemos reparar também no exemplo da série A do CPP, em que contamos com equipas que desceram este ano como o Fafe e o Vizela que são equipas candidatas, como também o Vilaverdense que tem sido alvo de uma grande aposta e que tem um investidor neste momento…
Rui Costa: Não esquecendo o Merelinense, que esteve muito perto da subida na época transata…
Nautílio Ribeiro: O Mirandela, que não tem estado tão forte, mas que já por muitas vezes podia ter subida e à custa destes formatos, não o concretizou.
Cláudio Teixeira: Sim, continuando o que estava a dizer… Numa série com este equilíbrio e com candidatos de peso, provavelmente vamos ter uma ou duas equipas que nem hipóteses terão de disputar um play-off… O que me parece injusto…
Nautílio Ribeiro: Isso é o sorteio que dita…
Cláudio Teixeira: Mas o sorteio está feito por zonas e associações.
Carlos Costa: Há um certo mapeamento do sorteio.
Nautílio Ribeiro: Correto, mas é como o Cláudio diz, o grande erro não está no sorteio ou na forma do sorteio, mas sim, no formato… Se tivéssemos mais lugares de acesso, essa classificação final já teria mais alguma justiça.
Cláudio Teixeira: Depois temos outro fator que é o de noutras séries em que há uma maior discrepância, chegarmos a uma certa altura em que há equipas que já sabem que muito dificilmente descem ou sobem e se desleixam um pouco. O que tira espirito competitivo à série.
Rui Costa: O exemplo maior de como esta organização é injusta é o Vilaverdense que é neste momento o pior segundo classificado de todas as séries, por estar na série mais difícil e já ter defrontado os principais candidatos.
Nautílio Ribeiro: Isso é uma das coisas que no modelo anterior já não acontecia pelo menos tão cedo no campeonato. Não quero dizer que o modelo anterior estivesse totalmente certo, mudava-lhe algumas coisas… Uma das coisas que alterava era precisamente o que foi alterado, poderia tirar-lhe a fase de promoção, que na minha opinião é uma repetição da fase regular… É um 2º campeonato… Daí concordar com o modelo a eliminar, pelo espetáculo que proporciona! Mas não acho que devessem ser tão poucas equipas a ter acesso à mesma fase, deveriam ser mais. E é uma fase de promoção, é uma passagem… E não um campeonato.
Cláudio Teixeira: A fase a eliminar iria ter muito maior atração futebolística e mais adeptos iriam ao estádio… O que é bom para os clubes.
Modelo proposto pelo Silas, quatro séries de 20 equipas em que os quatro primeiros de cada série apuram-se para um play-off, as equipas que chegarem às meias finais sobem diretamente à Liga LedMan Pro, sendo que a partir daqui as equipas jogam para descobrir o campeão. Descem os 5 últimos de cada série.
Rui Costa: É vantajoso porque haverá mais competitividade dentro das séries e a fase a eliminar traz mais espetáculo. Este formato acaba por ser uma “Mini-Champions”, o que é mais entusiasta.
Carlos Costa: Compreendo esta ideia do Silas porque ele jogou muitos anos em Portugal e em Portugal há o problema dos ordenados em atraso… e é como ele diz, há uma percentagem muito grande de salários em atraso em clubes de escalões secundários. Imaginemos uma equipa que já esteja longe da subida, que já não tenha pretensões para o campeonato, essa equipa vai deixar de investir naquela época. Daí que muitas vezes nos deparemos com ordenados em atraso. Este formato vai fazer as equipas lutarem por um lugar até aos últimos jogos.
O Silas também propõe um modelo competitivo para a Liga LedMan Pro onde os dois primeiros classificados sobem diretamente à Liga Nos e os classificados entre o terceiro e o sexto lugar vão jogar um play-off de subida ( 3ºvs6º e 4ºvs5º) em que o vencedor deste play-off sobe também à Liga Nos. Descem ao Campeonato Portugal Prio quatro equipas.
Nautílio Ribeiro: Gostava de deixar aqui o meu manifesto agrado em relação à ideia do Silas tanto para a Liga Ledman Pro como para o CPP. Mas falando agora do modelo para o II escalão. Primeiro é vantajoso por fatores competitivos, como já foi dito, num campeonato com poucos lugares de acesso para subida de divisão (principalmente) e também para descida de divisão uma equipa que tenha o campeonato tranquilo e que já não sobe nem desce,  vai querer gerir... Neste modelo já não é assim tão linear. Esse gerir de que falo, tira algum espetáculo ao jogo e adeptos ao estádio. Depois nesta liga temos de ter atenção a outros fatores que mexem, como a manipulação de resultados que é facilmente exercida nessa liga, que não são poucos os casos falados tanto na arbitragem como até mesmo os próprios jogadores. Isto no final, na tabela classificativa, vai fazer diferença. Uma equipa não vai subir por 1 ponto e o jogo XPTO fez toda a diferença. Também podemos pensar na conjugação de resultados com as equipas B, que em muitos jogos sofrem rotações no plantel.  Atenção, as equipas B’s trazem muitos bons jovens ao futebol português e têm os seus aspetos positivos, mas tem de se compensar também essa conjugação de resultados para não ser injusto para outros clubes. Este modelo do Silas é uma boa solução.
Rui Costa: Eu gosto muito de ver os jovens jogadores das equipas B’s a jogar mas até que ponto é justo a forma como elas foram introduzidas diretamente na Liga LedMan Pro, é que há equipas que lutam todos os anos por subir de divisão e que viram as equipas B’s serem introduzidas diretamente no II escalação.
Nautílio Ribeiro:É verdade e mesmo para equipas de um nível menor da Liga Nos que queira criar uma equipa B pode inscreve-la diretamente numa divisão Pró-Nacional sem ter de passar pela divisão Distrital mais baixa o que não me parece justo.
Carlos Costa: O Marítimo foi o único clube que sempre teve equipas secundárias e quando a equipa B foi colocada na Liga LedMan Pro, o clube decidiu criar uma equipa C pois não tem tanta visibilidade para os investidores e precisa de ter uma boa base de recrutamento. Quanto às equipas B’s é verdade que elas têm muitos aspetos positivos, mas na altura em que elas foram criadas houve um aumento de clubes no II escalação do futebol português por consequência das suas entradas e nos últimos anos tem-se reduzido a esse mesmo número.
Rui Costa: A equipa B do Benfica houve uma altura em que tinha um jogador a receber dois milhões por ano, não existe nenhuma equipa na Liga LedMan Pro além das equipas B’s que tenha possibilidade de pagar um salario tão elevado a um jogador.

E assim se encerra o primeiro “Meio Joelho e Uma Liga.”

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

O treino em circuito do Atlético de Madrid.


 No seguimento da analise dos treinos de circuito e fortalecimento muscular, hoje é a vez do treino do Atlético de Madrid.
 É de novo um treino em circuito desta feita no relvado.
   -Exercício unipedal (avião com elevação frontal dos braços) para fortalecimento das articulações, trabalho do core e propriocepção;
     -Trabalho abdominal e reforço da região core;
     -Agachamento com barra atrás da cabeça em plataforma instável (para alem do trabalho associado ao agachamento, reforço muscula a nível do trem inferior, região core e lombar, ao adicionarmos a plataforma instável à equação há todo um trabalho de propriocepção a ser desenvolvido e uma maior solicitação do core;
     -Salto unipedal com recepção com o pé de impulsão, este exercício para além de trabalhar a força explusiva na fase de impulsão, trabalha também a força excêntrica na fase de recepção e controlo do movimento. Ao ser realizado a um pé, de cada vez, permite o trabalho da propriocepção e o reforço de articulações como o tornozelo e o joelho;
Neste treino podemos ver que o fio condutor do treino incide muito no trabalho dos membros inferiores e da região core. Para o futebol estas regiões são bastante importantes. Os membros inferiores por serem a base do jogo e precisarem de bastante reforço. A região core é uma região extremamente importante não só para o futebol mas como para todas as atividades do dia a dia, é uma região de suporte estrutura e estabilidade do corpo.

Como curiosidade, as roturas de ligamentos dos joelhos, uma das lesões mais comuns nos futebolistas, é muitas vezes resultado de uma região core fraca e pouco trabalhada. Assim podemos dizer que um core trabalhado e forte, não permite apenas um trabalho de força e técnica bem alicerçado, mas também previne lesões. 

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Incrível o trabalho de Paulo Fonseca.


    Paulo Fonseca está a um ponto de conseguir a qualificação para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões, num dos grupos mais equilibrados da competição, as outras equipas são Feyernood,Manchester City e Napoli.
    Está a provar que é um grande treinador de futebol e que merece dar o “salto” para um grande clube numa liga de topo.
     A qualidade demonstrada por Paulo Fonseca já vem dos tempos do Paços de Ferreira, onde levou o clube a um histórico terceiro lugar na Liga Portuguesa e pela excelente campanha que fez no Sporting de Braga que culminou com a conquista da Taça de Portugal.
    Pelo meio teve uma passagem menos feliz pelo Futebol Clube do Porto, apesar de não ter o êxito pretendido a culpa não foi só dele pois houve um desinvestimento por parte do clube que não lhe deu soluções no mercado de transferência para que ele conseguisse mais, algo que não tinha acontecido com os seus antecessores e com o seu sucessor que tiveram verbas bem superiores para contratações.
    Além de ser um homem calmo e que sabe estar no mundo do futebol, também sabe dialogar com os seus jogadores, retirando o melhor deles como foi o caso de Diogo Jota que foi o melhor jogador jovem da Liga Portuguesa sobre o seu comando. Também é justo dizer que as equipas de Paulo Fonseca não têm medo dos adversários e não mudam o seu estilo de jogo consoante o poderio do adversário, jogando sempre um futebol apoiado e não estacionando o “autocarro” à frente da baliza, pelo contrário são destemidas como o seu treinador.
    Paulo Fonseca é a prova viva que às vezes é preciso dar um passo a trás para dar dois para a frente.

   O trabalho no Shakhtar Donetsk está a comprovar o que já se sabia que com competência pode-se conseguir mais que o esperado.

domingo, 22 de outubro de 2017

AS CONFERÊNCIAS DE IMPRENSA E OS COMENTADORES SABEDORES







As conferências de imprensa não servem apenas para tentar adivinhar futuros competitivos, para falar sobre erros na arbitragem e outras insignificantes questões que possam surgir. É preciso apelar ao lado bom do futebol, à melhoria do mesmo! É pena haver tanta discussão dos factos, tanta queixa, tanta acusação. É pena os clubes no nosso país preocuparem-se mais com a derrota dos outros do que com as próprias vitórias. É pena em Portugal só haverem 3 clubes na 1a liga. Fico triste em ver sessões de discussão futebolística, em que temos 1 moderador e 3 comentadores, 1 para cada grande. Em Inglaterra há disso? Pois não, lá vive-se o futebol. Se queremos copiar alguém, não copiemos a liga do Barcelona e do Real Madrid... enganei-me, a liga Espanhola. Porque não começar a perceber que os clubes supostamente mais pequenos também podem crescer, desde que não lhes cortem as pernas? Perceber que isso só seria benéfico para o futebol português? Terminaria com o relaxamento dos grandes, grandes esses que se fossem estimulados a ser mais competentes cá dentro, também o seriam lá fora. Não dêm asas às queixas de arbitragem. Torna-se ridículo, com esta disparidade de orçamentos, haver resultados justificados simplesmente na arbitragem. O futebol é um espetáculo que merece ser admirado e não discutido desnecessariamente.

É só um desabafo de alguém que gosta do futebol por sí só...

Outro tema importante e mais recente, do qual queria falar, são os sabedores de futebol que comentam em programas desportivos nos grandes canais televisivos. Sabedores esses que põem “no banco de suplentes” pessoas formadas na área. Sabedores esses que discutem temas como “o guarda redes sofreu um frango e devia ter defendido a bola de forma XPTO”, e muitas vezes mesmo fazendo a antevisão de um jogo, porque para eles é fulcral que guarda redes vai jogar e é isso que vai decidir o jogo!

Tenho uma sugestão para os guionistas dessas mesas redondas e esses comentadores completamente conhecedores do futebol! A minha sugestão é… falem de futebol. Simples mesmo, até parece fácil. Falem do desenvolvimento desta modalidade, do desenvolvimento que está a ter em países como a Islândia, da aposta gigantesca que está a ser na China, da potência que a seleção portuguesa se está a tornar e de como os clubes portugueses não acompanham esse crescimento. Estes, continuam a criar a matéria prima e a deixá-la ir para outras ligas porque a liga portuguesa não sai da cepa torta. Falem destes temas, debatam e queiram ser úteis para a modalidade em Portugal. Deixem as mesquinhices e os clubismos de lado. Sejam originais e arranjem temas decentes para falar, não se acomodem nem queiram massacrar em coisas que são “peanuts” no futebol.

Há respostas que os amantes do futebol procuram que vão para além dessas questões que são abordadas frequentemente.

sábado, 21 de outubro de 2017

Continua a jogar bem o Watford.


   O Watford perdeu com o Chelsea por 4 a 2.
  Num jogo em que ambas as equipas estiveram a ganhar, a sorte acabou por sorrir aos atuais campeões ingleses.
   No entanto tenho de salientar a exibição da equipa de Marco Silva que mostrou o porque de ser uma das melhores equipas da Premier League e mesmo não tendo um orçamento dos mais altos consegue disputar o jogo com qualquer adversário.
  O Watford é dentro de campo um espelho do seu treinador, uma equipa organizada, sem medo de pressionar alto e sem medo de ter a bola.
  O jogo de hoje foi mais uma prova disso, o Chelsea começou a ganhar, mas os jogadores do Watford nunca pareceram nervosos com isso antes pelo contrário seguiram o plano que Marco Silva tinha para o jogo e pressionaram a saída de bola do Chelsea obrigando os defesas a recorrer a passes diretos para Morata que se tornou uma “presa” fácil para a defesa do Watford, conseguindo com justiça chegar ao empate no tempo de compensação da primeira parte.
  A segunda parte começou da mesma forma que acabou a primeira, com o Watford a impedir os criativos dos Chelsea de ter bola e passou a dominar no meio campo onde Doucouré foi “gigante” ganhando todas as bolas divididas.
  E foi graças a este domínio que o Watford chegou à vantagem só perdendo este jogo devido às substituições feitas por António Conte, que conseguiu mexer bem na equipa e acertar em cheio na entrada de Batshuayi que fez dois golos.

  Mesmo perdendo este jogo o Watford está a ser a equipa sensação do campeonato, tendo empatado com o Liverpool e ganho ao Arsenal, ocupando o 5º lugar. Muito deste sucesso se deve a Marco Silva que de forma calma e serena consegue transmitir as suas ideias aos jogadores que confiam nessas ideias.

sábado, 14 de outubro de 2017

O Liverpool anulou o Manchester United


   O Liverpool empatou zero a zero com o Manchester United em Anfield Road no jogo onde os “reds” estiveram mais perto da vitória, que só não aconteceu devido a uma grande defesa de David De Gea.
   A maior arma do Liverpool esteve na forma como condicionou a saída de bola por parte do Manchester United, jogando com a linhas mais subidas que o normal obrigou a equipa de Mourinho a jogar com Ander Herrera muito perto de Matic o que fez com que não houvesse ligação no meio campo do Manchester United. Esta situação foi bem aproveitada por Emre Can que ganhou todos os duelos a Mkhitaryan, além disso sempre que Matic recebia a bola era de imediato pressionado por Henderson o que obrigava o United a um jogo mais direto facilmente anulável por parte do Liverpool pois Lukaku estava sempre sozinho para a defensiva contrária.
  Outro aspeto deste jogo foi a forma como Mourinho mexeu na equipa, nas duas primeiras substituições tentou meter velocidade nos corredores para ter mais soluções quando a equipa recorresse ao jogo direto, no entanto não resultaram, pois, os laterais não estavam a dar profundidade pois o Manchester estava a jogar com o bloco baixo.
    A última substituição de Mourinho foi para ajudar a equipa contra o jogo direto que o Liverpool ia utilizar nos últimos minutos.

   Neste dérbi que deu empate dentro de campo, Klopp foi superior a Mourinho fora dele tendo o treinador português que agradecer a De Gea sair de Anfield Road com um ponto.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A Juventus e o treino em circuito.


 “O treino em circuito consiste em realizar várias estações, podendo ser também por número de repetições.” (BOSSI 2001)
  O treino em circuito pode ser aeróbio ou anaeróbio, sendo o treino anaeróbio mais estimulante para desportos acíclicos como é o caso dos desportos coletivos. Ainda sobre os desportos coletivos, o treino em circuito permite treinar em pequenos grupos divididos por estações diferentes possibilitando assim o trabalho de toda a equipa ao mesmo tempo, misturando exercícios específicos da modalidade em questão assim como exercícios de força clássicos.

   Como no futebol o treino físico é parte integrante da preparação mas não é o foco principal o treino em circuito traz outras vantagens como o facto de ser económico a nível de tempo investido no treino assim como promove melhorias significativas em pouco tempo.

  Uma equipa que usa o treino funcional e em circuito é a Juventus.
  No treino aqui observado tem os seguintes pontos orientadores:
- Trabalho da região core (região que quando trabalhada dá um incremento da estabilidade do corpo);
 - Alongamentos dinâmicos (segundo muitos autores são os alongamentos mais eficientes e podem ser usados não só para a melhoria da amplitude articular mas também como forma de aquecimento, sendo mais ou menos específicos);
 - Força excêntrica (A fase excêntrica do exercício acontece quando existe um alongamento muscular, mas ainda estamos a aplicar uma grande tensão no músculo, como quando descemos lentamente a barra sempre a controlar o movimento. Este tipo de treino tem várias vantagens como o incremento da força muscular. Este tipo de trabalho pode também ser feito com o auxilio de aparelhos, como por exemplo exxentric kbox  );
  -  Trabalho com elásticos (o trabalho com elásticos tem uma grande vantagem que é a amplitude articular que permite durante o exercício; outro beneficio é o aumento da velocidade de execução, resultante do aumento da resistência à medida que se estica o elástico);
 - Treino propriocetivo (entenda-se por propriocepção a capacidade de reconhecer os vários segmentos corporais e alterações que eles sofrem, assim o treino propriocetivo promovem uma maior capacidade de equilíbrio e reconhecimento corporal).

 Em suma, o treino em circuito traz várias vantagens que são benéficas ao futebol:
  -a melhoria cardiovascular e ao mesmo tempo a capacidade de ter exercícios que trabalham as fibras rápidas extremamente importantes no futebol;
 -a variedade de exercícios tonifica e fortalece o corpo globalmente;
 -a variedade anterior citada, provoca estímulos diferentes que fazem com que o corpo tenha necessidade de se adaptar constantemente não havendo assim estagnação durante o treino;
 -permite efetuar trabalho especifico e de condição mais geral na mesma unidade de treino

 -e por ultimo mas não menos importante, é uma maneira de trabalhar a condição física sem um grande dispêndio de tempo.

sábado, 7 de outubro de 2017

A Argentina tem de melhorar.


A Argentina empatou em casa a zero com o Peru e a uma jornada do final da fase de qualificação para o Mundial de 2018, está fora dos lugares de qualificação.
No entanto as duas seleções que estão à sua frente vão se defrontar na próxima jornada o que vai permitir à Argentina caso ganhe conseguir a qualificação.
Mas para isso acontecer a Argentina precisa de melhorar em muito o seu jogo ofensivo, pois é impensável uma seleção com tantos jogadores de qualidade ser o segundo pior ataque da fase de qualificação da América do Sul.
Outro grande problema da Argentina é depender muito do que Messi tem para dar em termos ofensivos e se é verdade que Messi é um dos melhores jogadores do Mudo, capaz de resolver um jogo num pormenor também é verdade que tem de ter ajuda dos seus companheiros senão fica fácil de anular pelas equipas adversárias.
O que tem acontecido é que o jogo ofensivo da Argentina tem sido muito previsível e estático com poucas trocas posicionais que tem facilitado e muito a tarefa das defensivas adversárias.

Esta qualificação não está a correr bem para a Argentina que precisa de melhorar muito se quiser chegar longe no Mundial da Rússia em 2018 pois a continuar assim pode ser uma desilusão a participação alviceleste que parece ter dificuldades em conciliar as qualidades dos seus jogadores.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Nem tudo é um mar de rosas.


O Paris Saint-Germain empatou este fim-de-semana com o Montepellier a zero.
Neymar, jogador mais caro da historia do futebol, ficou de fora deste encontro, segundo o clube por uma lesão no pé. A imprensa especula que a ausência de Neymar foi um castigo atribuído ao jogador depois da confusão da jornada anterior com Cavani.
Foi precisamente nessa jornada que começaram os problemas dentro do Paris com Neymar e Cavani a chatearem-se pois ambos queriam bater um penalti. Ora isto não pode acontecer numa equipa profissional pois o treinador tem de ter definido quem bate os penaltis, os livres e os cantos. O que quer dizer que um dos dois quis ser protagonista quando não era o escolhido para aquele momento.
O grande problema neste fim-de-semana foi a forma como o Paris foi ineficaz em frente à baliza adversária. Uma equipa que mesmo sem Neymar custa muito mais que a do Montepellier tem de conseguir ganhar o jogo.
Até porque Mbappé e Cavani juntos custaram perto de 200 milhões e não conseguiram aproveitar as oportunidades criadas.

Emery tem que conseguir que a equipa renda muito mais do que está a render e tem de conseguir que os seus jogadores joguem em equipa.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Entrevista a Diogo Pereira



O Diogo é estudante de terceiro ano de Engenharia Biomédica na Universidade do Minho e jogador de Futebol no Vilar de Perdizes.

P: Universidade ou futebol?
R:. Neste momento a minha escolha é a Universidade e essa escolha foi tomada há dois anos, porque é a opção onde eu acho que posso ser mais bem-sucedido a longo prazo.

P: Tendo em atenção a sua resposta anterior se o Vilar de Perdizes subir ao Campeonato Nacional de Seniores será impossível para si conciliar o futebol com a Universidade?
R: Depende dos dirigentes do Vilar de Perdizes, eu sempre defini que a prioridade eram os estudos e que eu não ia retirar tempo aos estudos para ir treinar. Ao ver que há jogadores com mais qualidade que eu na mesma situação futebolística, acho que me devo continuar a dedicar primeiro aos estudos.

P: Foi um dos jogadores que mais possibilidades teve para sair do Grupo Desportivo de Chaves e assinar por um clube com melhor formação. O que fez com que isso não acontecesse?
R: O que faltou no meu caso foi dar o passo, na minha altura quando fui ao Sporting, ao Porto, ao Sporting de Braga e à Académica de Coimbra o que me distinguia dos jogadores de outras zonas do país é que eles tinham um campo inteiro para treinar, eu no Chaves dividia campo com outros escalões de formação do clube e quando chegava a esses clubes era só mais um.
Além disso o Chaves era um clube que também disputava campeonatos distritais nos escalões de formação, competições essas que não tinham um grau de dificuldade muito exigente.

P: Falou que os campeonatos distritais nos escalões de formação que o Chaves disputava não tinham muita qualidade, acha que se tivesse saído para um clube que permitisse jogar com equipas mais fortes o futuro podia ser diferente?
R: Não sei se seria assim, nem toda a gente que está num clube com excelente formação vai ser jogador de futebol também é preciso ter sorte. Por exemplo se fosse jogar para um clube “grande” tinha posto de parte os estudos e se não conseguisse ser jogador de futebol não tinha um plano b. Na altura em que eu entrei na Universidade eu tive a opção de ficar mais um ano em Chaves a jogar e a fazer melhoria de notas, no entanto achei melhor para o meu futuro ir para a Universidade.

 P: Acha que há mais jogadores na mesma situação que você, que têm de escolher entre os estudos e o futebol?
R: Eu na altura escolhi o que achava certo, acredito que houvesse jogadores que tiveram que optar entre o futebol e os estudos. Repara os únicos jogadores contra quem joguei ou partilhei balneário que tiveram sucesso no futebol foram o Raphael Guzzo e o Diogo Brás.
Se hoje em dia for falar com muitos dos meus antigos colegas aposto que eles me dizem que se fosse hoje tinham-se dedicado mais aos estudos. Acho que não estavam preparados para que o futebol não desse e não tinham um plano alternativo.
Um exemplo de quando fui ao Sporting que é uma grande academia de formação, o Sporting tem fotos da altura do Cristiano Ronaldo e tem o que cada pessoa dessa equipa faz da vida e a maior parte não foi jogador profissional de futebol.

P: Falando agora do presente, quais são os seus objetivos para esta época futebolística no Vilar de Perdizes?
R: O Vilar de Perdizes tem por objetivo natural ganhar todos os jogos, no entanto não te vou assumir que vamos ficar em primeiro, o que a direção e equipa técnica nos pede é que honremos a camisola que vestimos e tentar fazer o melhor possível. O nosso presidente sabe a qualidade do plantel e o que nos pede é que deixemos tudo em campo e que façamos o melhor pelo Vilar de Perdizes. O ano passado tínhamos um objetivo definido que era chegar à final da Taça da AFVR, quando perdemos com o Vila Real e deixamos de ter possibilidades de cumprir esse objetivo passamos a ter como meta lutar pela vitória em todos os jogos.

P:Acha que a equipa tem qualidade para ser campeã?
R: Acho. A equipa tem mais qualidade do que tinha o ano passado e além disso tem um treinador que já está connosco desde o meio da época passada e nós esta época já percebemos o que o mister Vítor Gamito pretende, é um treinador que tem facilidade em transmitir ideias. Além disso o plantel reforçou-se com jogadores com muita qualidade.
Temos tudo para fazer melhor que o ano passado.

P:Qual foi o melhor jogador com o qual partilhou balneário?
R: Micael Borges.

P:Qual o melhor treinador que teve?

R:O melhor treinador que eu tive  foi o Mister André , que foi meu treinador adjunto nos Juniores do Chaves , que me ensinou muito do ponto de vista pedagógico e me fez crescer enquanto pessoa.

domingo, 10 de setembro de 2017

O desgaste e o comodismo... Já se notam.


O Benfica este ano teve uma entrada nada feliz no campeonato. E a que se deverá este mau começo? Falta de sorte? Arbitragens? Penso que não. E acho que podemos encontrar a resposta no comodismo da preparação para esta época. Sendo neste momento o Benfica o tetra campeão portugês com toda a sua organização e estrutura, o Benfica acomodou-se ao sucesso das épocas anteriores e não fez por disfarçar a influência da ausência de jogadores como Éderson, Lindelof e Nélson Semedo. Rui Vitória continua a confiar na experiência de Luisão na liderança da defesa... Mas está a esquecer-se que é preciso passar o testemunho, o capitão dá muito a quem joga ao seu lado (a evolução de Jardel no SLB evidenciou isso) mas é hora de deixar para outros. Luisão está fisicamente débil e tem de ceder aquele lugar. Está na hora de ou se reforçar em condições a defesa se quer atacar o título, ou se é para evitar gastar dinheiro, que apostem nos jovens e que dêm sangue novo ao plantel. Além disso, já o ano passado Pizzi terminou a grande época que fez, completamente de rastos... Precisa de um substituto que o faça descansar de vez em quando, alguém que ajude aquele meio campo a respirar, alguém útil ou que o Rui Vitória queira que seja útil. O Benfica para continuar o bom trabalho nos troféus nacionais, tem de querer mais... Tem de se mexer! Este comudismo é mau para o Benfica e para o futebol portugês, o Benfica tem de querer mais tanto em Portugal como nas provas continentais.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A Holanda tem de melhorar.


    A Holanda perdeu com a França por quatro a zero e está em quarto lugar no grupo A de qualificação para o Campeonato do Mundo de 2018, atrás de França, Suécia e Bulgária e tem a sua qualificação muito complicada.
    A Holanda precisa de ganhar os 3 jogos que faltam e pode não ser suficiente para chegar ao primeiro lugar que dá a qualificação direta ou ao segundo lugar que dá acesso a um playoff.
    Se só conseguir chegar ao segundo lugar a Holanda não pode ser a pior segunda classificada de todos os grupos de qualificação senão também fica de fora do Mundial.
    A Holanda comprometeu a sua qualificação com um empate na Suécia e com uma derrota na Bulgária, jogo esse que levou ao despedimento de Danny Blind.
     A Holanda precisa de corrigir esses resultados e vencer os dois jogos que tem contra adversários diretos em casa, Suécia e Bulgária, porque se não vencer um desses jogos é quase garantido que fica de fora do Campeonato do Mundo.
     A verdade é que a Holanda já ficou de fora do Campeonato da Europa de 2016 e ficar de fora do Campeonato do Mundo de 2018 será algo que não agradará muito aos holandeses.

     Resta esperar para ver o que acontecerá nos próximos jogos.

domingo, 27 de agosto de 2017

Sem medo do adversário.


   O Rio Ave empatou em casa a uma bola com o Benfica.
   Num jogo em que até esteve em vantagem a equipa de Vila do Conde é a primeira a tirar pontos a um dos três grandes.
   Foi com enorme agrado que constatei que o Rio Ave se manteve fiel ao seu estilo de jogo e não teve medo de jogar olhos nos olhos com o tetracampeão português.
  O Rio Ave não teve medo de sair a jogar curto, com os seus defesas a trocarem a bola entre si e a usar Cássio como apoio quando fosse necessário para que conseguissem chegar perto da baliza do Benfica com qualidade.
   É fascinante ver como nenhum jogador da equipa do Rio Ave se esconde do jogo, aliás é normal ver que nos jogos do Rio Ave quando um jogador vila-condense tem a bola há sempre uma linha de passe para que a equipa continue com a bola.
   O Rio Ave teve mais posse de bola que o Benfica quando o expectável era o contrário pois o normal nos jogos do Benfica para a Liga Portuguesa é que seja o Benfica a ter mais posse.
   Além de saber o que fazer com a bola em seu poder o Rio Ave provou ontem mais uma vez que também defende muito bem e mais importante é que toda a gente defende e há muita entreajuda entre os jogadores.

   Mérito para o Miguel Cardoso e para os seus jogadores pela forma como jogam a bola e por se   manterem fiéis a um estilo de jogo independentemente do adversário.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Sorteio da Liga Europa.


   O Braga e o Vitória foram os representantes portugueses no sorteio da Liga Europa e ficaram nos grupos C e I respetivamente.
   O grupo C tem além de Braga, Ludogorets, Hoffenheim e Basaksehir. O Braga era a equipa do pote 1 deste grupo e foi a única que não participou na Liga dos Campeões esta temporada, o que diz da qualidade neste grupo.
   É um grupo muito equilibrado com todas as equipas a sonharem com a passagem à próxima fase, essa passagem vai ser decidida por detalhes. O Braga vai ter de ser consistente ao longo da eliminatória e tentar as falhas dos adversários.
  O meu prognóstico é que Braga e Hoffenheim vão ser as equipas que se vão qualificar para a próxima fase.
   O grupo I tem além do Vitória, Salzburgo, Marselha e Konyaspor. Neste grupo o Marselha tem mais opções no seu plantel e parte em vantagem neste grupo para garantir a qualificação enquanto que o Vitória se conseguir pontuar contra o Salzburgo na Áustria ou contra o Konyaspor na Turquia e conseguir ganhar os seus jogos em casa pode passar à próxima fase. Se alguém pontuar contra o Marselha pode ter vantagem.
   O meu prognóstico é que Marselha e Vitória vão ser as equipas que se vão qualificar para a próxima fase.

  No entanto o sorteio da Liga Europa não foi o mais simpático para as equipas portuguesas que vão ter de estar no seu melhor nível para se qualificar. 

O que ditou o sorteio.


   Realizou-se ontem o sorteio da Liga dos Campeões com três equipas portuguesas presentes, Porto, Sporting e Benfica.
  O Benfica ficou no grupo A com o Manchester United, Basileia e o Cska Moscovo. O Manchester United parte como o favorito neste grupo, com o Benfica a ser o mais forte candidato dos outros três a passar a fase seguinte, no entanto os jogos na Suíça e na Rússia podem dificultar a vida aos encarnados se não entrarem com intensidade em campo.
  O meu prognóstico é que o Manchester United e o Benfica consigam a qualificação para a próxima fase e que o Cska vá para a Liga Europa. 
 O Sporting ficou no grupo D com Juventus, Barcelona e Olympiacos. Não foi um sorteio muito favorável para o Sporting que tem no seu grupo duas equipas com muita qualidade e que estão acostumadas a chegar longe na Liga dos Campeões. É de esperar que o Sporting consiga fazer pelo menos 4 pontos contra o Olympiacos.
  O meu prognóstico é que Juventus e o Barcelona consigam a qualificação para Liga dos Campeões e que o Sporting vá para a Liga Europa.
 O Porto ficou no grupo G com Mónaco, Besiktas e Leipzig. O Porto ficou no grupo onde qualquer uma das equipas pode passar à fase seguinte. É o grupo onde uma equipa tão depressa pode ser primeira como pode ser última pois não há muita diferença de qualidade nas equipas. O Porto tem de tentar conquistar pontos fora de casa e ser implacável no Dragão.
 O meu prognóstico é que o Mónaco e o Porto consigam a qualificação para a próxima fase e que o Besiktas vá para a Liga Europa, no entanto arrisco-me a falhar totalmente este prognóstico de tão equilibrado que o grupo é.

Desejo boa sorte às equipas Portuguesas e que consigam manter-se todas nas competições europeias. 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Outra vez Bruno Fernandes.


  O Sporting conseguiu o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões após vencer o Steaua Bucareste por cinco a um na Roménia depois terem empatado em Alvalade.
  O Sporting entrou bem no jogo com Doumbia a ser a novidade no onze leonino e a tentar mostrar serviço a Jorge Jesus e fazer o que o técnico do Sporting pretendia que era explorar a profundidade nas costas da defesa do Steaua.
  É pelo próprio Doumbia que o Sporting consegue chegar à vantagem no marcador, no entanto diminuiu o ritmo do jogo no resto da primeira parte e permitiu ao Steaua chegar ao empate ainda antes do intervalo.
   Na segunda parte apareceu Bruno Fernandes que já tinha sido determinante contra o Vitória Sc e foi também neste jogo da Liga dos Campeões ao isolar Acuña com um passe entre linhas que permitiu ao argentino colocar o Sporting em vantagem.
  Também é importante no terceiro golo pela forma como segura a bola e consegue sair de uma situação de desvantagem numérica frente à defesa do Steaua.
   A vantagem que Bruno Fernandes dá à equipa naquela posição é que como é mais um médio do que um segundo avançado, tem mais qualidade de passe e consegue desmarcar os seus companheiros com mais qualidade.
   Para agrado dos adeptos do Sporting já provou que sabe fazer golos e irá certamente fazer uma boa dupla com Bas Dost.

 Vamos ver o que Bruno Fernandes vai fazer no resto da temporada.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

United arrancou em boa forma.


  O Manchester United de José Mourinho ganhou os dois primeiros jogos para a Liga Inglesa por 4-0.
  O Manchester está a jogar um futebol atraente e conta com a melhoria significativa de Pogba para que isso aconteça e essa melhoria só aconteceu devido à contratação de Matic por 40 milhões de euros, uma pechincha para os dias de hoje, ao Chelsea e que está a mostrar o porque de ser um dos melhores médios defensivos do Mundo.
  Lukaku está numa excelente forma e comprova que foi o substituto certo para Ibrahimovic, tem uma capacidade perfeita de entender os movimentos da equipa nos vários momentos do jogo e consegue encontrar companheiros livres de marcação e que depois lhe vão “agradecer” com assistências.
  Pogba é neste momento um jogador mais confiante e é o que Mourinho pretende, um jogador que liga o meio campo ao ataque e consegue fazer isso com facilidade e além disso consegue chegar com facilidades a zonas de finalização.
  Outro destaque neste início de campeonato é Rashford que prova que vai ser o futuro da seleção inglesa e cada vez que mete velocidade no seu jogo fica difícil para as defesas adversárias conseguir impedir que ele cause estragos sem ser em falta.
   Dar também mérito à defesa do Manchester United que não sofreu qualquer golo na Liga Inglesa até ao momento, mostrando-se muito coesa até ao momento.

   Se José Mourinho conseguir que Ibrahimovic assine pelo clube, o Manchester United é a par do seu rival de Mancheter o maior candidato à Liga Inglesa.

domingo, 20 de agosto de 2017

Isco chegou a outro patamar com Zidane.


Zidane chegou ao Real Madrid na época 2015/2016 e a escolha de Florentino para suceder a Benitez acabou por revelar acertada para o Real Madrid.
Os jogadores que mais ficaram a ganhar com esta opção foram Casemiro e Isco, o primeiro porque passou a ser titular quando antes o Real jogava num sistema tático que não continha médio defensivo, o segundo porque passou de ser segunda opção e de poder sair do clube para passar a ser titular e a ser determinante no que Zidane pretende da equipa.
Isco é no momento um dos melhores médios ofensivos do Mundo graças à forma de jogar do Real Madrid que lhe dá liberdade para ele fazer o que faz melhor, que é levar a bola em progressão para o ataque permitindo aos avançados do Real Madrid serem mais decisivos do que se precisassem de vir buscar jogo mais atrás.
Com Isco a ter liberdade para ter a bola em sua posse por vários metros os adversários ficam sempre na dúvida se ele vai desmarcar um dos seus colegas ou se vai assumir ele próprio o remate.
Também no processo defensivo Isco ficou mais completo pois Zidane obriga Isco a ser a primeira linha de pressão do meio campo com muita vezes a ter de pressionar alto para tentar fazer a recuperação o mais perto possível da baliza adversária e esta pressão tem que ser feita com garra para conseguir que isso aconteça algo a que Isco não estava habituado pois antes a função dele era apenas ser o criativo da equipa.
Com Zidane Isco tornou-se um dos médios mais completos do Mundo e dos jogadores que eu mais gosto de ver jogar futebol.

A forma de Isco valeu-lhe uma renovação de contrato por parte do Real Madrid.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Soam os alarmes na Catalunha.



  O Barcelona perdeu a Supertaça Espanhola para o Real Madrid e perdeu também Luís Suárez por lesão para as próximas 4-5 semanas.
  Este início de temporada não está a ser muito bom para o Barcelona que além de ter perdido a Supertaça para o Real Madrid também perdeu Neymar e ainda não conseguiu arranjar um substituto à altura para ele.
   Nota-se que sem Neymar o Barcelona tem mais dificuldades ofensivas pois Suárez é quem procura a profundidade nas costas das defesas adversárias e Messi é quem vem em apoio ao meio campo para jogar mais apoiado e como antes eram dois jogadores a fazer isso e agora é só um fica mais fácil para os adversários contrariar este tipo de jogo e anular Messi.
   Além disso o meio-campo do Barça está previsível e não tem a dinâmica de anos anteriores o que dificulta o tiki-taka a que nos tinham habituados.
   Por último a defesa do Barcelona é neste momento uma defesa insegura que além de apresentar dificuldades defensivas que não eram habituais na altura de Puyol e no primeiro ano da dupla Mascherano e Piqué. Outra dúvida nesta defesa é porque Vidal em vez de Nélson Semedo é que Nélson tem um estilo muito mais parecido ao de Daniel Alves e que encaixa melhor no Barcelona.

   Vamos ver se até ao fim do mercado de transferência o Barcelona consegue reforçar o plantel e voltar a ser a super-equipa que era.

domingo, 13 de agosto de 2017

Qualidade vila-condense.


O Rio Ave ganhou por duas bolas a uma frente ao Boavista com Cássio a defender um penálti no último minuto de compensação.
Com esta vitória o Rio Ave faz seis pontos em dois jogos e começa a Liga Portuguesa de forma irrepreensível.
A equipa continua a praticar um futebol atraente com os jogadores a procurar jogar com critério e a utilizar bolas longas só se for possível retirar vantagem desse tipo de jogo ou se estiverem apertados por um adversário.
É uma equipa que joga com a linha defensiva muito subida fazendo uma pressão alta o que dificulta a saída de bola dos adversários e permite-lhes sair para contra-ataque com muitos jogadores a chegar rapidamente a zonas de finalização.
Um exemplo disso foi o segundo golo frente ao Boavista em que após uma recuperação de bola perto do meio campo conseguiu tirar vantagem do mau posicionamento da defesa axadrezada para que Yuri Ribeiro cruzasse sem dificuldades para Pedro Moreira aparecer sozinho e marcar o golo da vitória.
O equilíbrio desta equipa é Pelé que consegue recuperar bolas com facilidade e prova que se estiver em forma é um dos melhores médios ofensivos da Liga Portuguesa.
Outra qualidade deste Rio Ave é a facilidade dos seus laterais em chegar a zonas adiantadas do terreno e criar desequilíbrios às defesas adversárias.
Além disso tem um plantel com muita profundidade e dá-se ao luxo de ter no banco  jogadores como Nuno Santos, Karamanos, Pedro Moreira e Gabrielzinho, a contratação mais cara do Rio Ave.

Miguel Cardoso provou que é um treinador inteligente pois manteve o  melhor que o Rio Ave apresentou na temporada passada deu-lhe os seus retoques e apresenta um Rio Ave com claras aspirações a ficar em lugares europeus.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Resumo dos jogos de segunda e terça-feira da Liga Portuguesa.


Segunda-feira realizaram três jogos da Liga Portuguesa, o primeiro foi entre o Portimonense e o Boavista com o Portimonense a vencer o encontro por duas bolas a uma, este encontro contou com uma reviravolta no marcador pois foi o Boavista a inaugurar o marcador.
O grande destaque deste jogo vai para Vítor Oliveira que conseguiu o primeiro triunfo no seu regresso à Liga Portuguesa depois de várias subidas na Segunda Liga nunca assumiu um clube na Liga Portuguesa até esta temporada em que aceitou o desafio do Portimonense e mesmo sem contratar muita gente parece que tem equipa para lutar pela manutenção.
No segundo jogo do dia o Feirense, uma das equipas revelação da última temporada, empatou a uma bola com o Tondela num jogo onde o Tondela marcou primeiro através de uma autogolo de Cris, o que obrigou a equipa orientada por Nuno Manta a correr atrás do resultado, o que aconteceu com sucesso pois conseguiu o empate, faltando depois pernas a ambas as equipas para tentar vencer o jogo.
No terceiro e último jogo da noite o Rio Ave recebeu e venceu o Belenenses por uma bola a zero com o golo dos vila-condenses a ser marcado por Francisco Geraldes na marcação de um livre. Este jogo foi a estreia de Miguel Cardoso à frente do Rio Ave e mostrou que o treinador pretende continuar a praticar bom futebol que começou sob o comando de Luís Castro, isso ficou provado na forma de jogar do clube que até a saída do guarda-redes tenta fazer através de passe curto.

Além dos jogos de segunda-feira também houve um jogo da Liga Portuguesa na terça-feira entre o Marítimo e o Paços de Ferreira com a equipa maritimista a vencer o encontro por uma bola a zero e a demonstrar mais uma vez a segurança que apresenta a jogar em casa.

domingo, 6 de agosto de 2017

Começou a temporada em Portugal.


    O Benfica conquistou a Supertaça no sábado frente ao Vitória Sc por três a um num jogo onde uma entrada forte do Benfica foi decisiva para os encarnados que fizeram dois golos nos primeiros quinze minutos.
   Seferovic mostrou que tem qualidade e que foi uma boa contratação e Bruno Varela provou que pode lutar pela titularidade com Júlio Cesar.
    Apesar do Benfica ter ganho três a um o Vitória esteve na luta pelo troféu enquanto o jogo estava dois a um com Hurtado a falhar o empate. O jogo só ficou garantido com o terceiro golo do Benfica.
    O Sporting e o Aves foram as primeiras equipas a entrar em campo na Liga Portuguesa 2017/2018 e o resultado foi favorável aos Leões que ganharam dois a zero com dois golos de Gelson Martins.
    Jorge Jesus optou por colocar Bruno Fernandes no apoio a Bas Dost o que fez com que a equipa se apresentasse num 4-2-3-1 em vez de 4-4-2.
  No entanto notou-se um certo desconhecimento do que Jesus pretendia por parte de Bruno Fernandes que passou um bocado ao lado do jogo.
  Quem esteve em bom nível foram os extremos do Sporting, Acuña e Gelson, que foram os principais desequilibradores da equipa e os melhores em campo.
    Gelson fez um jogo ofensivamente como comprovam os dois golos marcados, enquanto que Acuña esteve muito bem no processo defensivo e depois mostrou bons apontamentos ofensivos.
    Com a entrada de Podence o Sporting mostrou melhor dinâmica ofensiva.

    Vamos ver o que a temporada nos reserva.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Os Barreiros foram fortaleza e Xadas deu outra dinâmica.


  O Marítimo e o Sporting de Braga conseguiram a qualificação para o palyoff da Liga Europa.
  O Marítimo ganhou em casa ao Botev Plovdiv por 2-0 num jogo onde ficou provado que a equipa orientada por Daniel Ramos continua a ser muito organizada e a ser muito bem orientada fazendo dos Barreiros uma autentica fortaleza.
  Tem que se dar os parabéns a Daniel Ramos que após ver sair Raúl Silva, Dyego Sousa, Fransérgio e Patrick conseguiu construir uma equipa que pode lutar pela qualificação para a fase de grupos da Liga Europa e por ficar bem classificada no campeonato.
 O Braga por seu turno ainda teve de sofrer, mas acabou por vencer o AIK por 2-1 em prolongamento.
  O AIK ainda esteve em vantagem no marcador, mas Rui Fonte empatou na segunda parte, levando o jogo para prolongamento.
 O golo de Rui Fonte surge na altura em que o Braga estava por cima no jogo muito por culpa das mexidas feitas por Abel Ferreira que ganhou o jogo com entrada de Xadas que foi o melhor em campo e com Vuckevic que permitiu a Fransérgio subir no terreno e permitir ao Braga controlar o meio campo do AIK.
  Depois de estar por cima em termos táticos, Raúl Silva mostrou mais uma vez a sua veia de central goleador e já nos descontos do prolongamento o golo que permitiu ao Braga seguir para o playoff da Liga Europa.

  Resta agora esperar pelo sorteio para ver quem são as equipas que calham ao cabeça de série Braga e ao não cabeça de série Marítimo .

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Situação no Futebol Europeu.


  Durante o dia de hoje Neymar foi ao centro de treinos do Barcelona para se despedir dos seus colegas tornando-se assim uma questão de horas até ser oficial a sua transferência para o Paris Saint-Germain.
   Com esta transferência o Barcelona vai receber 220 milhões de euros, que devem ser gastos no substituto de Neymar, que segundo a imprensa os jogadores que partem na frente são Dembele, Coutinho e Dybala. O certo é que o Barcelona apesar de ficar a ganhar financeiramente fica a perder em termos futebolísticos pois Neymar é neste momento o terceiro melhor jogador do Mundo a seguir a Ronaldo e Messi e o seu substituto não estará no mesmo nível dele.
  O Paris por seu turno ganha um reforço de peso para tentar recuperar a Liga Francesa e tentar ganhar a Liga dos Campeões que sempre foi uma ambição dos seus donos.
  A única desvantagem desta contratação é o fair-play financeiro que obriga os parisienses a vender alguns jogadores para equilibrar as contas.
  Neymar com esta transferência torna-se o jogador mais caro da história e vai provavelmente ver o seu ordenado aumentado, além disso será a estrela de uma equipa o que não acontecia no Barcelona onde a estrela era Messi.
   O outro destaque da semana vai para a contratação de Matic por parte do Manchester United que assim ganha um médio defensivo de qualidade que vai dar mais liberdade a Pogba e Herrera para construírem o jogo ofensivo sem terem que vir buscar o jogo tão atrás pois Matic além de ser um excelente recuperador de bolas também possui uma boa qualidade de passe.

   Este negócio só se concretizou devido ao facto de Mourinho ter treinado Matic no Chelsea, que ficou com boa impressão do treinador português e que não se sentia a cem por cento seguro no Chelsea depois do que António Conte fez com Diego Costa. 

segunda-feira, 31 de julho de 2017

O que se viu na pré-época.


Os três grandes portugueses acabaram a pré-época e já preparam os primeiros jogos oficiais da temporada.
Começando pelo Benfica, o que se viu nos jogos amigáveis realizados foi que Pizzi e Fejsa continuam a formar uma dupla coesa e com qualidade e que o ataque do Benfica continua a funcionar muito bem.
Pelo contrário a defesa do Benfica apresentou dificuldades contra equipas com qualidade, pois os defesas centrais não têm velocidade suficiente para jogar com a defesa tão subida principalmente o que jogar do lado direito pois nenhum lateral direito consegue fazer as compensações defensivas que Nélson Semedo fazia.
No que toca a reforços, Seferovic foi a nota positiva pois demostrou qualidade e que é um grande jogador, a nota negativa até ao momento é a falta de um defesa direito com qualidade para substituir Nélson Semedo no imediato.
O Porto teve uma boa pré-temporada com Aboubakar a mostrar que merece uma oportunidade no plantel principal e Brahimi parece decidido a que esta seja a sua época de afirmação definitiva no Porto.
No entanto não sabemos como o Porto se vai debater com clubes da mesma qualidade que a sua pois só defrontou clubes teoricamente mais fracos que eles e não deu para entender como a pressão alta que Sérgio Conceição quer implementar aguenta contra equipas que tenham jogadores velozes e com qualidade na frente de ataque.
Quanto a reforços o Porto ainda não teve nenhum até ao momento. Aboubakar foi o jogador mais em destaque no plantel do Porto.
O Sporting conseguiu com os jogos amigáveis perceber que o plantel tem mais opções que nos últimos anos e que o Sporting consegue jogar em vários sistemas táticos.
No entanto o plantel já começou a ser fustigado por lesões o que pode dificultar as aspirações do clube.
Quanto a reforços o Sporting mexeu-se bem, o único jogador que me parece ainda longe do que Jesus pretende é Matheus Oliveira.
A outra questão é a falta de um quarto central com qualidade, que pode ser resolvido com o facto de William poder fazer esse lugar, mas para isso é preciso que não saia do clube.
A pré-época é só para ver em que estado estão as equipas, o importante é o Campeonato e as competições europeias que começam agora.




sexta-feira, 28 de julho de 2017

As invenções de Jesus.


   Jesus apostou num 3-4-3 contra o Vitória no último amigável que o Sporting realizou.
   Esta aposta de Jorge Jesus foi um falhanço completo.
   Indo por partes, Jesus jogou com 3 defesas algo que nunca tinha feito antes, o que levou a uma certa estranheza por parte dos jogadores, além disso decidiu que um dos defesas centrais titulares seria o médio defensivo Petrovic.
  Entendo que com esta solução Jesus quisesse ganhar melhor saída de bola para os processos ofensivos, o problema é que para isso acontecer eles tinham de estar habituados ao sistema utilizado e coordenados, o que não aconteceu neste jogo.
   O outro problema foi a escolha dos laterais, Bruno César e Jonathan Silva, que tiveram dificuldades de posicionamento e depois não tiveram velocidade suficiente para compensar o mau posicionamento.
   Jorge Jesus continua a apostar em Matheus Oliveira com médio esquerdo o que se tem provado ser um erro porque Matheus continua a ter problemas em perceber o que Jesus pretende de quem joga naquela posição.
   Quem se ressentiu desta opção e da expulsão de Coates foi Doumbia que se sentiu perdido neste sistema tático, pois ficou muitas vezes desapoiado apesar disso lutou muito e nunca desistiu.
   Esta talvez não tenha sido a melhor altura para fazer experiências, o Sporting começa o campeonato dia 6 de Agosto e faltam poucos jogos amigáveis antes do inicio da temporada e talvez fosse melhor opção dar minutos aos jogadores que ele tem em mente que vão ser titulares para eles ganharem rotinas.

   Na minha opinião Jesus precisa de dar minutos no jogo contra a Fiorentina aqueles que vão ser primeira opção para eles estarem prontos para o jogo com o Aves dia 6 de Agosto. Além disso precisa de trabalhar muito a defesa pois ainda não está totalmente entrosada.

Assim se quer um treinador.

      O TREINADOR, o líder, o que toma as decisões, a mente da equipa, o que treina e passa a mensagem! O quão complexo, difícil e ing...